Automação Industrial

10jul

Presente na mesa de mais de dois terços da população mundial, alimento rico em carboidratos, energia, fibras, potássio e proteínas, o principal alimento de consumo e consequentemente a primeira planta a ser cultivada na Ásia, em análise suas variações de genótipo conduzem a sua presença inicial e difusão em países como China e Índia, de importância econômica e social presente de norte a sul do Brasil em diversas regiões produtoras sendo cultivado em pequenas, médias ou grandes áreas de plantio, cultura adaptada para áreas de condição de solo de sequeiro ou inundação, trata-se do “Oryza sativa L.”, popularmente conhecido como arroz.

 

No mundo a rizicultura representa algo em torno de 11% das terras agricultáveis, quando chegou ao continente americano os principais indícios de cultivo destacaram o Brasil como país pioneiro a instituir a cultura do arroz principalmente na região sul em meados do século XVIII, já em 1904 no município de Pelotas surgiu a primeira lavoura do cereal através das condições favoráveis para as plantas em termos de clima, solo e topografia da região, ao qual foram empregadas as primeiras técnicas de irrigação por inundação contínua.

 

Diante das importantes condições encontradas, o estado do Rio Grande do Sul consolida-se como uma grande região produtora juntamente com o estado de Santa Catarina, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2013) mais de 76% do arroz produzido nacionalmente é proveniente destes estados, sendo o principal destaque o município de Uruguaiana/RS com 5,1% da produção nacional.

 

Ao longo dos anos a pesquisa e produção científica no amplo estudo do arroz definiu a distribuição média das suas partes constituintes, sendo que aproximadamente 8% é farelo, 24% representa a parcela de casca e 68% o arroz propriamente polido. As constituintes do grão apresentam importância econômica em diversos aspectos, a casca de arroz por exemplo é dividida basicamente em três partes com proporções distintas no seu emprego, uma parte é utilizada na avicultura como cama de aviário, uma parte empregada nas fornalhas para o processamento do próprio arroz e uma parte que ganhou espaço significativo ao longo dos anos na cogeração de energia elétrica de biomassa.

 

Outro importante componente do grão de arroz é o farelo com 12 a 16% de proteína bruta possuindo abundante teor de fibra, é empregado na alimentação humana e na utilização em formulações balanceadas para nutrição animal, vale ressaltar que o farelo ainda apresenta uma ótima fonte de obtenção de óleo produzindo em torno de 14-18% do peso da matéria prima, por fim o grão de arroz encontrado nas gôndolas após processado pode ser branco ou parboilizado, o produto originado é de excelente qualidade pela transformação e controle moderno nas etapas do processamento industrial.

 

Vale ressaltar que tamanha tecnologia no processamento está diretamente ligada a “Automação e Controle Industrial” no processo contínuo, controles de temperatura, controle de produção e qualidade do farelo, integração de informações e dados de análises, cogeração de energia elétrica são alguns benefícios proporcionados na atualidade responsáveis principalmente pelo impacto na qualidade de vida das pessoas.

Compartilhe

FacebookLinkedIn